Muitas pessoas se perguntam se existe uma fórmula mágica para o sucesso de um empreendimento. Bom, essa fórmula provavelmente é um mito, uma vez que cada negócio tem as suas especificidades e dificilmente as mesmas regras que se aplicam a um, se aplicam ao outro, mas isso não significa que não  existam elementos genéricos que colaborem diretamente para que o empreendedor alcance bons resultados em sua jornada.

Recentemente, a nossa equipe teve a oportunidade de entrevistar o Enor Tonolli, gestor do Parque de Ciência, Tecnologia e Inovação da Universidade de Caxias do Sul (TecnoUCS) e coordenador do StartUCS, programa de geração de startups. 

CLIQUE AQUI se deseja conhecer esta entrevista na íntegra


Amplamente engajado na política de inovação do modelo de ensino como conhecemos hoje, Enor Tonolli, estuda há quase uma década as tecnologias disruptivas e tendências que impactam no cotidiano de pessoas e empresas. Durante essa entrevista, ele expôs a importância de se levar para dentro da sala de aula a visão do empreendedorismo e também a importância de se empreender, tanto no sentido daquele que decide abrir a sua própria empresa, como daqueles que desejem empreender dentro das organizações ou das suas carreiras. Nessa ocasião, ele apresentou também aspectos que considera importantes para o sucesso de um empreendimento:

“Ao longo desse tempo, o que eu percebi, é que existem alguns itens que são muito importantes para o sucesso do empreendimento quando ele inicia, um deles, eu diria que é um pouco de vocação e um pouco de dom. O empreendedor pode ser treinado, sem dúvida nenhuma, mas é preciso uma grande capacidade de saber lidar com as frustrações, então eu diria que ele tem que ter um pouco desse DNA gravado na sua personalidade, além do desejo de empreender e fazer dar certo.”


Saiba um pouco mais sobre que pensa esse especialista, se aprofundando nos 4 itens que separamos abaixo:


1. Vocação

É raro encontrar uma lista que se proponha a apresentar elementos indispensáveis para o empreendedorismo que não traga a vocação como um dos seus itens. E, por mais que essa seja uma verdade difícil de engolir, o fato é que mesmo que em tese qualquer um possa ser empreendedor, a vocação e a vontade ainda pesam bastante nessa equação.

O empreendedor pode ser treinado para  desenvolver suas competências, mas ele precisa ter um certo DNA e um desejo que dê certo acima de tudo, movendo claro, ações para que isso aconteça. Ele precisa aprender a trabalhar para si e a não fazer concessões para si mesmo, o que é uma coisa difícil. Quando se é um funcionário, você recebe demandas, cumpre metas e faz a sua entrega. O empreendedor por outro lado é quem arquiteta tudo isso e torna viável o negócio de acontecer, o que não é uma tarefa fácil, especialmente no início, em que se parte do zero e tudo que você tem é tempo e uma boa ideia que precisa ser materializada ainda. 

Ter vocação para o empreendedorismo é ter em mente que esse está longe de ser um trabalho glamouroso, e que no seu negócio, se você quiser que dê certo, você terá que trabalhar mais do que todo mundo. Além disso, é importante exercitar a capacidade de conseguir ser chefe de si mesmo, cumprindo as metas que desenha para si sem deixar que outras coisas o distraiam no caminho.


2. Visão

Um ponto importante é que nenhuma startup é uma ilha, e não basta ter uma “boa idéia” para criar um grande negócio. Ter uma boa visão do mercado, do seu segmento e do seu próprio negócio é fundamental para assegurar o sucesso de um empreendimento. 

A questão é: como podemos ampliar essa visão, em abrangência e profundidade? Esse é um dos motivos pelos quais um empreendedor não se faz trancado em seu escritório: ele precisa levantar da sua cadeira, falar com pessoas e descobrir o que realmente está acontecendo.


3. Sócios

A questão dos sócios tem mais influência no sucesso de um empreendimento do que a maioria imagina. E os fatores que levam a buscar um sócio podem ser diversos: a necessidade de recursos para abrir, ampliar ou mesmo sanar uma dificuldade financeira da empresa, a intenção de dividir responsabilidades e riscos do negócio, o plano de continuidade da empresa, aumento da rede de relacionamentos e oportunidades, expansão dos negócios, enfim, esses e muitos outros.

Porém, qualquer que seja o motivo, não pode haver negligência na avaliação do candidato que será sócio. Um grande amigo pode ser um péssimo sócio, o filho pode não ter talento para dar continuidade à empresa e um desconhecido que possua os recursos financeiros ou alegue ter experiência necessária pode não ser tão honesto e correto quanto parece. Tenha certeza de conhecer bastante a pessoa com que vai se associar: as suas competências,  temperamento e o caráter, do mesmo jeito que se é criterioso na escolha de um marido ou esposa, afinal, esse também é um casamento. 


4. Dinheiro

Um erro comum que acontece com as startups é, que muitas vezes, elas se preocupam mais com a obtenção de recursos do que com a construção do seu modelo de negócio. Então, quando os recursos vêm, essas startups não têm a fundação sólida necessária para garantir que eles sejam bem empregados e se multipliquem.  E o resultado disso é ter que captar cada vez mais e mais investimentos para manter vivo um negócio que até poderia ser bom, mas não foi construído adequadamente. 


Nesse artigo, você viu os quatro itens mais importantes, na visão de Enor Tonolli, para o sucesso de um empreendimento: a vocação do empreendedor, a visão, a equipe de sócios e o dinheiro. E então, todos esses elementos estão positivamente colocados na sua jornada, ou você precisa repensar algum deles? A hora de refletir é essa!


Quer aprender mais sobre o que faz uma startup bem-sucedida? Aproveite para se inscrever em nossa newsletter! Assim, você não perde nenhum dos nossos podcasts e artigos exclusivos.